Poema preso

Aperto no peito
Nó na garganta
Borbulhas no estômago
O diagnóstico é único:
Poemas presos.


O vir a ser que nunca chegou

A ansiedade da espera

A alegria que não brotou
A energia desperdiçada

A alma dilacerada

O coração em prantos

Perfurado pela ausência.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s